shift: o rescaldo

Com (muito) atraso, algumas notas sobre o SHiFT:

  • as dicas incisivas de Laurent Haug sobre start-ups;
  • as sessões de Peter Merholz (“the system is the product”) e LukeW (“design as a problem solver”);
  • Stowe Boyd: “the buddy list is the center of the universe”;
  • coComment e Plazes, dois serviços catitas que fiquei a conhecer;
  • o ambiente nerdy q.b. e o número de Mac users.

Notas mais específicas sobre algumas sessões no Strange Attractor, o blog de Suw Charman: Dannie Jost (patentes e software), Kevin Cheng (comunicar conceitos através de banda-desenhada), Martin Röll, Euan SempleStowe Boyd.

As fotografias da conferência no sítio do costume.

jardins digitais

A Câmara de Lisboa pretende disponibilizar acesso wireless à Internet em espaços verdes e miradouros da cidade. Diz o Jornal de Notícias:

O projecto conta com o apoio das Empresas Radiomóvel Comunicações (ZAPP), Broadnet Portugal e a PT Acessos Internet Wi-Fi, que trabalharam em conjunto com a autarquia para o desenvolver. Denominado “Jardins Digitais”, o projecto-piloto engloba vários espaços da cidade, como o Jardim do Campo Grande, os miradouros da Graça, de Nossa Senhora do Monte e de Santa Catarina, o Parque Florestal do Monsanto, o Parque Eduardo VII, Parque da Bela Vista ou o Jardim da Estrela. [no jornal Metro de hoje é também referido o miradouro de São Pedro de Alcântara]

É simpático, mas em alguns destes sítios já é perigoso o suficiente mostrar o telemóvel, quanto mais um computador.